A LIMPURB – EMPRESA DE LIMPEZA URBANA DE SALVADOR. EM PARCERIA COM A EMPRESA LANCI-MADEIRA PLÁSTICA, INICIOU A INSTALAÇÃO DAS LIXEIRAS  100% ECOLÓGICAS FABRICADAS EM MADEIRA PLÁSTICA MACIÇA NAS ORLAS MARÍTIMAS DE SALVADOR-BA:

  • BARRA AVENIDA
  • BOA VIAGEM
  • JARDIM DE ALÁ
  • ARMAÇÃO
  • BOCA DO RIO
  • ENTORNO DO NOVO CENTRO DE CONVENÇÕES
  • PRAÇA DO CAMPO GRANDE.

TRANSFORMANDO A CIDADE MAIS SUSTENTÁVEL!!

 

 

PREFEITURA DE POJUCA-BA

EM DESTAQUE!!

A MADEIRA PLÁSTICA MACIÇA, produto 100% Ecológico, Sustentável e Durável, dá o show na requalificação das praças públicas da cidade, onde foram instalados Parquinhos Infantis (Playground), Lixeiras,Bancos de Jardim,Pergolados,Bicicletários e Abrigos de Ônibus Ecológico, pela empresa LANCI-MADEIRA PLÁSTICA!!

 

TECNOLOGIA INOVADORA EM SALVADOR-BA

NA PRAÇA DA AV. 29 DE MARÇO 

A CONDER-BA, instala Parquinhos Infantil (Playground), com todos os equipamentos fabricados em Madeira Plástica Maciça, produto 100% Ecologicamente Correto, Sustentável e Durável

com 10 anos de garantia !!

 

 

PROJETO EXIGE CABINE DE DESCONTAMINAÇÃO EM LOCAIS DE GRANDE AGLOMERAÇÃO.
Por Agência Senado
12/08/2020 – 20:25

A proposta prevê que o descumprimento dessa exigência acarretará multa, definida e regulamentada pelo ente federado competente para a fiscalização (Imagem: Agência Brasil/ Marcello casal Jr,)

Para evitar a circulação e a transmissão de doenças infectocontagiosas, como a covid-19, um projeto de lei estabelece a obrigatoriedade de instalação de túneis, cabines ou pórticos de descontaminação nas entradas de espaços com potencial de grande aglomeração de pessoas. O projeto (PL 4.117/2020) foi apresentado pelo senador Nelsinho Trad (PSD-MS).
A proposta prevê que o descumprimento dessa exigência acarretará multa, definida e regulamentada pelo ente federado competente para a fiscalização. O texto considera como circunstâncias agravantes na gradação da penalidade: ser o infrator reincidente; ser o espaço fechado; o número de pessoas comportadas pelo espaço; e a densidade de indivíduos.
De acordo com o texto, são considerados espaços com potencial de grande aglomeração: terminais rodoviários, metroviários, portos e aeroportos; locais utilizados para realização de eventos culturais e esportivos; centros comerciais instalados em ambientes fechados; locais de culto religioso; além de outros que venham a ser definidos em regulamento federal, estadual, distrital ou municipal.

Nelsinho Trad observa que várias dessas iniciativas têm caráter transitório e argumenta que algumas providências podem ser tomadas em caráter permanente (Imagem: Waldemir Barreto/Agência Senado)

Agentes químicos
O projeto também exige a aplicação constante de agentes químicos visando à descontaminação e à sanitização desses locais.
De acordo com o texto, os produtos químicos utilizados devem seguir uma série de recomendações: devem ser produtos que tenham número de registro na Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária); devem ter laudos comprobatórios de não toxicidade oral aguda, de não irritação/corrosão cutânea e de não irritação/corrosão ocular; devem comprovadamente eliminar acima de 90% de micro-organismos patogênicos; não poderão causar mancha ou descoloração nos tecidos e poderão ser diluídos em água; não poderão ser inflamáveis; não poderão causar corrosão em metais; devem apresentar laudo de citotoxidade, não apresentando toxidade celular; devem ter presença de atividade antibacteriana, antifúngica ou viral, não podendo somente impedir o crescimento; devem ter efeito tensoativo, podendo ser utilizados para limpeza.

Caráter permanente
Ao justificar a proposta, Nelsinho Trad destaca que a situação de calamidade pública causada pela pandemia de covid-19 tem desencadeado diversas iniciativas para contenção dessa doença. Ele observa que várias dessas iniciativas têm caráter transitório e argumenta que algumas providências podem ser tomadas em caráter permanente, como os túneis de descontaminação.
“Essa tecnologia permite, com a pulverização de produtos inofensivos à saúde humana, eliminar agentes patogênicos nocivos presentes na pele e nas roupas das pessoas. Com isso, diminui-se radicalmente a proliferação de doenças em espaços públicos”, afirma ele.